sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

FIDELIDADE EXISTE?!




No auge de 2016 esse é um tema que ainda provoca controvérsias...
Há quem diga que existe mulher fiel, mas homem não...
Com toda a experiência de vida que tenho, dois casamentos, dois divórcios, afirmo: sim fidelidade existe...
E não tem nada atrelado ao gênero da pessoa, porém ao caráter, à personalidade...
Não arriscaria percentuais, porque, na sociedade atual, os papéis estão tão amalgamados, que existem homens com perfil feminino, assim como mulheres com perfil masculino, em relação ao comportamento sócio-cultural, e reitero que não existe uma inclinação de nenhuma das partes para a infidelidade ou fidelidade...
Também não relativizo em relação às situações de alto, médio e baixo risco. Nem ao apelo da luxúria. Muito menos ao grau de compromisso entre as partes suscetíveis...
O ser humano pode ter uma inclinação para a desordem ou ordem das suas emoções. Não utilizo a palavra controle. Mas um comportamento saudável, ou seja, onde se faz desnecessária práticas de auto-afirmação. Isso é algo adquirido no processo de aprendizagem. Agora, enfatizo que os fiéis são mais felizes que os infiéis indiscutivelmente...
Traição envolve sordidez, rivalidade, mentira, falta de ética, fragilidade, egoísmo, desequilíbrio, dentre outros distúrbios...
A questão é que o indivíduo quando trai, primeiro atenta contra a Lei de DEUS (para os que acreditam no SAGRADO), depois contra a moral (afinal é um desvio de conduta virtuosa), em seguida contra si próprio (porque traição deixa sequelas, p.ex.: o sentimento de culpa) e depois contra o traído (vítima), sem falar no comparsa ou parceiro de traição (que pode se machucar caso idealize haver conquistado um troféu para exibir em público e se depare com a realidade de ter sido apenas objeto sexual do outro)...
Perdoar uma infidelidade não é tão simples. É como um acidente que deixa sequelas. O tempo passa, mas as marcas estão lá. Quem perdoa tem motivos. Nem sempre muito louváveis. Uns porque já traíram. Outros porque veem a chance de uma revanche. Alguns porque a situação sócio-econômica seria desestabilizada. Quem mais sofre é o que ama e tenta perdoar, por amor, mas o tempo acaba mostrando que não se ama sozinho e, quem ama não trai, logo a sensação de vazio existencial e a ruptura da relação são inevitáveis...
Não existe lugar para a traição no amor genuíno. Ele é perene. Um tratado entre espíritos, entre almas, entre corações. Não é um ter o outro. É um ser o outro e vice-versa. Nós não gostamos de ser traídos, portanto não traímos nosso outro eu. Ocupamos o lugar "de"... Daí repensamos... Sempre retrocederemos...
FIDELIDADE existe apenas quando existe AMOR. Porque se você não ama, já está sendo infiel com o seu parceiro, sendo que o está enganando, ou seja, o traindo propriamente dito...
Até em pensamento se trai alguém... Pensem nisso com todo o nível de complexidade que esse pensamento encerra... E amem... Amem muito... Pois para o amor nascemos... E o amor é dom de DEUS... Porque DEUS é AMOR e o AMOR é DEUS... Tão simples assim.

Com afeto,

Anna Mattos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário