quinta-feira, 8 de outubro de 2015

A Coisa.




Sinto como se ela fizesse parte de mim
Não recordo de um dia sequer sem a sua companhia
Recordo sim de tudo que ela me faz sempre sentir
Mesmo quando não penso nela, ela interfere na minha vida.

As causas são várias, os efeitos, algumas vezes, são devastadores
Os humanos com super poderes desafiam-na
A sua presença me torna frágil e doce
Os medicamentos a camuflam, a escondem.

A vida com ela é dádiva, porque ela é apaixonada pela morte
Algumas pessoas a compreendem, outras não
A maioria a discrimina, e não a entende, por falta de conhecimento
A minha definição é que ela me acompanha porque sinto as dores do mundo, além das minhas dores.

Nas terapias se resolvem as complexidades
Na vida ela só me revela as verdades
Medo existe, potencializado, ou inexiste, completamente, anulado, impotente
Mas não é um presente que eu daria a outrem.

Ela esconde as cores, os aromas, os sabores
Mas nos mostra que temos coração
É... difícil me separar desse enlace
Não a amo, mas também não a odeio, porque ela só é "uma coisa", que caminha comigo, talvez contribuindo para minha humanização.

Anna Mattos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário