sexta-feira, 16 de outubro de 2015

A Casa na Colina.



Jan Van Der Heyden

Ela fica no alto, soberana, rebuçada por flores.
Dela vejo uma enorme campina verdejante.
Nela avisto o lago azul segredoso.
Assim ficarei mais perto do céu, quem sabe de DEUS.

Sozinha, reclusa e tácita.
Receio ser o único caminho agora.
Só retornarei depois que ele nascer.
E terei como inspiração o sol, a lua, as estrelas, a natureza, o viver.

Nada de celular, internet nem TV a cabo.
De lá só sairei com minha obra completa.
O lugar é pitoresco e acolhedor.
Resultado do conselho das minhas meninas.

Sábias teorizaram: "Para ser escritora de verdade, tem que usar máquina de escrever e ir para a casa na colina."
Rindo aceitei a sugestão e fiz as malas.
Meu livro, finalmente, deixará de ser um sonho.
Minha ausência durará o tempo que for preciso.

Então...
Até qualquer dia,

Anna Mattos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário