quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Como tornar o estudo, a aprendizagem, a leitura e a escrita ainda mais eficazes.



Por GUSMÃO, A. K. de O.

"Ninguém é capaz de escrever bem, se não sabe bem o que vai escrever." Câmara Júnior

"LEIA (grifo meu), não para contradizer ou refutar, nem para acreditar ou aceitar como verdade indiscutível, nem para ter assunto para conversa e discurso, mas para pesar e considerar." Bacon apud Adler & Doren

É muito comum, hoje, professores reclamarem que seus alunos não são capazes de reter um mínimo de informações. Infelizmente, a capacidade humana de guardar informações para resolver problemas futuros tem caído em desprestígio. Recomenda-se alguns exercícios para a ampliação da memória. O mais simples e acessível à todos é o hábito de fazer palavras cruzadas. Mas existem outras técnicas mais profícuas em consultórios de profissionais especializados na área, como psicopedagogos.

Antes de tudo é preciso ter motivação para o estudo. E a motivação parece estar ligada à interesses internos ao indivíduo, independendo de estímulos externos. Portanto, cabe ao estudante motivar-se interiormente antes de pôr-se à estudar qualquer assunto.

Em segundo lugar, a organização do estudo é fundamental. Se o estudioso se habitua a examinar previamente seu material de leitura é provável que eliminará muito desperdício de tempo com leituras injustificáveis.

O rendimento pode ser ampliado se o estudante tem um objetivo definido, bem como se estabeleceu um tempo para o estudo que tem em vista.

O estudo depende ainda de técnicas de anotação, de esquematização de um texto (segundo Andrade e Henriques pode-se definir o esquema como um resumo não redigido), da transformação do texto em um roteiro, da realização de resumos (resumir significa condensar um texto, mantendo suas ideias principais, ou seja, criar um texto mais curto, utilizando somente as informações mais importantes do texto original... resumir é, pois, apresentar COM AS PRÓPRIAS PALAVRAS, os pontos relevantes de um texto), da confecção de resenhas (também chamada de recensão é um tipo de resumo que, além de apresentar uma versão sintetizada do texto, incorpora julgamentos de valor e opiniões de quem o elabora), do fichamento das ideias relevantes, dentre outros.

Anotação é o processo de seleção de informações para posterior aproveitamento. As notas devem permitir redação a partir delas, ou seja, não devem ser tão sintéticas que dificultem o entendimento e não possam ser convertidas em texto. As anotações de textos escritos, como livros e artigos de periódicos, devem ser posteriores a uma leitura rápida e completa do texto e após sublinha (lembrando que o ato de sublinhar, destacando apenas as ideias principais, revela-se consistente e eficaz quando é realizado com parcimônia, distinguindo-se o essencial do acessório) das ideias principais. Apontamentos rigorosos, claros, completos evitam a perda de tempo futuro na busca de livros em bibliotecas, ou emprestados de terceiros, mesmo quando estejam próximos. Temos três tipos de notas:

* CORRIDAS: registram palavras-chaves que deverão ser transformadas em texto tão breve quanto possível;
* ESQUEMÁTICAS: ordenam hierarquicamente as partes principais do conteúdo de uma comunicação;
* RESUMO: procura sintetizar informações colhidas em livros ou exposições orais.

Feitas as anotações, há necessidade de registrar as informações da fonte, ou seja, a bibliografia. As informações são registradas em fichas, que possibilitam a organização e o manejo dos dados com eficiência.

DICA: utilize uma ficha para cada anotação, numere-as, se a anotação ocupar mais de uma ficha, dê título a cada ficha e registre a fonte consultada sempre, para evitar plágio. As transcrições literais devem ser destacadas entre aspas e os créditos atribuídos ao autor ou autores. Isso ainda vale nos tempos hodiernos, onde há o google e outros mecanismos de busca, na internet, pois a triagem nos mesmos leva um tempo desnecessário na elaboração de textos, como artigos, dentre outros, pela quantidade de material não confiável.

A qualidade da leitura depende do conhecimento que se tem do vocabulário. O domínio do sentido exato que a palavra assume no contexto possibilita maior compreensão do texto e maior eficácia da leitura. A ampliação do vocabulário caminha paralelamente ao desempenho da leitura. Em geral, quem pouco lê tem vocabulário reduzido.

DICA: use o dicionário como livro de cabeceira.

Na hora de escrever, eu aconselho que, inicialmente, se crie livremente (processo de brainstorming ou "tempestade cerebral", em sentido literal).

DICA: quanto mais se delimita um assunto, maior a possibilidade de um estudo ainda mais profundo.

"Não é no espaço que devo buscar minha dignidade, mas na ordenação de meu pensamento. Não terei mais, possuindo terra; pelo espaço, o universo me abarca e traga como um ponto; pelo pensamento, eu os abarco." Pascal

DICA: não seja dogmático, para não ser tachado de alienado, fanático, fundamentalista, dentre outros, quando apresentar suas ideias.

Um primeiro conceito de ciência diz que ela se identifica com um conjunto de procedimentos que permite a distinção entre aparência e essência dos fenômenos perceptíveis pela inteligência humana. As peculiaridades de seu método diferenciam a ciência das muitas formas de conhecimento humano, e uma de suas particularidades é aceitar que nada é eternamente verdadeiro. O dogma não encontra na ciência lugar nenhum.

DICA: pesquise sempre em fontes fidedignas, para não incorrer na possibilidade de ser envergonhado em alguma colocação feita. Feito isso, escreva muito. O medo da exposição não pode impeli-lo a um mundo de obscuridade. Os erros são inevitáveis. A perfeição não existe.

"... Mas como qualquer outra forma de conhecimento objetivo-verdadeiro do mundo exterior, a hipótese não é uma cópia espetacular morta da realidade mas um processo ativamente criador de representação do mundo." Kopnin apud Köche

"... a originalidade não está na forma, mas sim no conteúdo." Castro apud Köche

"O conhecimento da gramática é apenas um dos meios para chegarmos a uma comunicação correta, mas não é um fim em si mesmo. Ao escrever, não devemos ficar obcecados em demonstrar erudição e cultura gramatical. Se quisermos escrever bem, isto é, de modo eficaz, devemos dirigir a nossa preocupação para as três funções básicas [da comunicação]: produzir resposta, tornar o pensamento comum aos outros e persuadir." Blikstein

OBSERVAÇÃO: a autora do texto presta serviços particulares, na modalidade EAD - Ensino à Distância, de orientação e normalização, conforme a ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas, de trabalhos acadêmicos e científicos, para todo o Brasil e exterior, incluindo traduções para o inglês e o espanhol. Professora, pós-graduada em quatro áreas, com quase 26 anos de experiência em Educação. Contato: akoga34@hotmail.com - Eu indico. Anna Mattos.

NOTE: the text author pays particular services, in the form EAD - Distance Learning, guidance and standardization, according to ABNT - Brazilian Technical Standards Association, of academic and scientific work, throughout Brazil and abroad, including translations into English and Spanish. Professor, post-graduate in four areas, with almost 26 years of experience in education. Contact: akoga34@hotmail.com - I indicate. Anna Mattos.

NOTA: el autor del texto presta servicios en particular, en forma EAD - Enseñanza a distancia, la orientación y la normalización, de acuerdo con la ABNT - Asociación Brasileña de Normas Técnicas, del trabajo académico y científico, en todo Brasil y en el extranjero, incluyendo traducciones al Inglés y Español. Profesor, de postgrado en cuatro áreas, con casi 26 años de experiencia en educación. Póngase en contacto con: akoga34@hotmail.com - Mi indico. Anna Mattos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário