quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Jerusalém de Ouro - Ofra Haza - Tradução

Jerusalém de Ouro Ofra Haza "O ar da montanha é límpido como o vinho... E o perfume dos pinheiros é carregado na brisa do lusco-fusco... Entre os sons dos sinos... E no contraste de árvore e pedra... Capturado nos seus sonhos... A cidade assenta-se solitária... E no seu meio está o muro... Jerusalém de ouro, e de bronze, e de luz... Entre tudo isso eu sou um violino para todas as suas canções... Como as cisternas secaram... O mercado está vazio... E ninguém mais freqüenta o Monte do Templo... Na cidade antiga... E nas grutas na montanha... Os ventos estão contidos... E ninguém mais desce para o Mar Morto... Pelos caminhos de Jericó... Jerusalém de ouro, e de bronze, e de luz... Entre tudo isso eu sou um violino para todas as suas canções... Mas assim como eu venho cantar hoje para ti; E adornar coroas para ti (contar suas preces)... Eu sou o menor das mais jovens de suas criancinhas (ou seja, sou o menos honrado a fazê-lo)... E o último dos poetas nascidos... Pelo seu nome cerram-se os lábios... Como o beijo de um Serafim... Se eu me esquecer de ti, Jerusalém, O qual é todo ouro.... Jerusalém de ouro, e de bronze, e de luz... Entre tudo isso eu sou um violino para todas as suas canções... Nós voltamos para as cisternas... Ao mercado e ao local do mercado... Um shofar pode ser ouvido a chamar para o Monte do Templo... Na velha cidade... E nas suas grutas na montanha... Milhares de sóis brilham... Nós desceremos mais uma vez ao Mar Morto... Pelo caminho de Jericó... Jerusalém de ouro, e de bronze, e de luz..."

Nenhum comentário:

Postar um comentário