segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

Jason Mraz - 93 Million Miles - (Tradução) ♫♫ ♫♫

sábado, 12 de janeiro de 2019

Elis Regina - Fascinação. Inesquecível. A.M.

segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

A prisão da borboleta...

      Há quatro anos atrás quando descobri que a minha única alternativa seria me afastar de tudo e de todos para conseguir sobreviver, respirei fundo e encarei meu destino... Durante todo esse tempo meu olhar sempre pairou no horizonte... Perdido... Desolado... Como pôde a vida aprisionar quem nasceu borboleta?! Me recordo dos tempos de criança onde corria e saltava... Livre... Alegre... Por que esse castigo se não havia cometido crime algum?! Chorava inconsolável sem ter forças para nada mais... A não ser orar... Ter fé... Sonhava... Pensava... Um dia DEUS vai me tirar dessa prisão... Voltarei a ser livre... E quem sabe alegre outra vez... Durante todo esse tempo pude experimentar o sabor da solidão... É amargo... E queima o coração... Estar só é algo muito diferente de ser só... Não estou só... Sou só... As pessoas se esquecem muito depressa de quem se ausenta... Elas lembram, de vez em quando, e dizem "Está sumida..."... Engraçado é quando elas precisam de algo... Sabem nos encontrar... Somos quando e quanto temos... Temos como ajudar... Como indicar... Como dar... A ingratidão se faz mais presente quando temos tempo para pensar... No quanto já ajudamos, indicamos e demos... Quando somos porque temos tudo é festa... A casa está sempre cheia... Há risos, amigos, abraços e beijos... O lado positivo é que esses vermes desaparecem quando estamos no caos... É como se houvesse um vendaval que leva tudo que é podre para longe de nós... Só fica o que realmente vale a pena... É precioso... Verdadeiros seres humanos... Amigos e leais... Nesse ínterim conheci pessoas... Algumas especiais... Outras dispensáveis... O tempo me tornou uma mulher muito exigente... O sofrimento me lapidou... As lágrimas me derramaram... A solidão me tornou mais atenta, tolerante, resiliente... Para me tornar borboleta foi necessário o sacrifício para deixar o casulo... Para saber alçar voo foi preciso o sacrifício de aprender a enfrentar o medo da queda... Hoje não sei se sou melhor ou maior, mas, certamente, sou outra... Ainda com minhas querelas existenciais, mas pronta para me reinventar, me re-significar, me reconstruir... Chegou o momento sonhado... Faltam alguns dias para minha partida... A ansiedade me enche de angústia... A depressão devasta o meu jardim... Seria um momento de comemoração... Estou tendo a oportunidade de ter uma vida nova... Só que ao invés de sorrir tenho chorado... Como será que viverei lá fora da caverna?! As sombras me assustam... Não adianta ninguém dizer que do outro lado há vida... Tal como uma múmia em seu sepulcro, aqui estou paralisada... Sempre fui corajosa, mas hoje o medo encontrou morada em mim... Sempre fui forte, mas hoje a fragilidade achou lugar em mim... Talvez esteja envelhecendo... E envelhecer dói... Pelo menos é como sinto... Olho para trás e vejo uma borboleta... Olho para frente e vejo uma mariposa... Cinza e sombria... Onde estão minhas cores?! Minha luz?! Meu encantamento?! O mundo... Se tornou deveras perigoso... Sempre foi... Só piorou... Hoje perdi a esperança de vê-lo melhor... As pessoas me decepcionaram tanto que olho os que se aproximam com receio... Já tentei o suicídio algumas vezes... Essa semana me ocorreu essa "solução"... Pela primeira vez em minha vida disquei para o CVV... As descobertas foram muitas... Primeiro havia uma fila de espera... Pensei ao receber a minha posição na mesma: "Estou ocupando o lugar de alguém que ainda tem solução"... A música que tocava me agradou... Nem alegre, nem triste... Era agradável para um último momento nesse planeta... O sistema eletrônico o tempo inteiro informava a minha mudança de posição na lista de suicidas... Isso me deixava feliz por imaginar que ali, finalmente, alguém estava me dando atenção... Só que também me deixava aflita... Por desejar dar o meu lugar a uma outra pessoa... Talvez que merecesse mais aquela ajuda... Por não fazer ideia do que dizer ao voluntário quando chegasse a minha vez... Por achar que esbarraria numa topeira sem tato para lidar com aquela situação... Por fantasiar que aquela pessoa seria o meu socorro... Depois de dezesseis desesperados que não sei se estão mortos ou vivos, finalmente, chegou a minha vez... Do outro lado um rapaz muito atencioso e habilidoso... Falava pouco... Sabia escutar... Um jovem estudante de psicologia que acha que sendo voluntário além de ajudar pessoas irá aprimorar-se como acadêmico... Ficamos mais de uma hora conversando e se não fosse pela gritante diferença de idade acreditaria que encontrara o grande amor da minha vida... Ele era uma mistura de anjo com o protótipo do homem perfeito... Além de estancar o meu choro e a minha dor, me fez sorrir e me sentir infinitamente melhor... Suas poucas colocações me fizeram repensar conceitos tidos como absolutos... Ele disse estar adorando nosso diálogo, porque estava aprendendo coisas que jamais sonhara existir... Que modesto... Naquela conversa era o pupilo quem estava me dando uma aula de humanidade... Descobri que ainda existe gente que vale a pena... Nossa conexão foi interessante... No final ninguém queria desligar, mas minha consciência de que o trabalho do moço estava feito e havia outras pessoas precisando dele foi maior... A despedida foi doída... Ele me fez refletir sobre coisas que anos de terapia não fizeram... Ele afirmou que sou muito especial embora não me dê conta disso... Será que o garoto tinha razão?! Como profissional da área me senti intimidada com a perícia dele em conseguir me colocar diante do espelho... Me mostrar as imagens verdadeiras e não os borrões que permeiavam a minha cabeça... Talvez ele tenha razão... Não preciso me torturar pelo que já passou e pelo que ainda virá... Preciso viver aqui e agora... Não preciso de aplausos para saber que fiz grandes feitos... Admiráveis... Louváveis... Não preciso ser perfeita, porque não existe perfeição no mundo... Não preciso de agradecimentos, porque o importante é que DEUS sabe quem sou e o que faço para os outros... Não preciso me punir, porque fiz escolhas erradas, todos fazem, o tempo todo, todo o tempo... Não devo achar que minha ética e minha moral são vãs, porque são elas que me fazem não me envergonhar de quem sou todos os dias... Não devo pensar que fiz tudo, porque há muito para ser feito... Não devo continuar achando que sou uma empresa falida, porque grandes empresas se tornam maiores após serem devastadas por percalços no caminho... Não devo me auto-flagelar por nunca ter amado um homem, de verdade, porque, com toda certeza, não tive ainda foi a sorte de encontrar um que mereça o meu amor... Não devo achar que aos 47 anos estou velha, porque como queimei etapas em minha vida interiormente tenho mais de 100 anos e conversando lembro uma menina de 15 anos cheia de vida e de energia... Não devo tirar a minha vida, porque ela fará falta para tanta gente que seria impossível uma estimativa em números... Não tive palavras para agradecer tudo que recebi nessa ligação... Fiz um elogio na ouvidoria da entidade... Naquela noite ele salvou a minha vida... Nem sempre ele tem êxito, segundo o próprio... Pessoas não conseguiram receber todo o apoio que esse jovem me deu com seu jeito amável de ser... Que pena... Estou aqui... Ainda depressiva e ansiosa, porém viva... Graças a DEUS, ao CVV, ao voluntário e a mim... Preciso suportar a força do vento e voar como uma linda borboleta... As trancas da prisão foram quebradas... A cela está aberta... É hora de sair e tentar, mais uma vez, ser feliz... Tentarei.

Anna Mattos.

Ligue: 188
CVV: Centro de Valorização da Vida.
Site: https://www.cvv.org.br/

sábado, 5 de janeiro de 2019

Retrato!!!





"Eu não tinha este rosto de hoje,
Assim calmo, assim triste, assim magro,
Nem estes olhos tão vazios,
Nem o lábio amargo.

Eu não tinha estas mãos sem força,
Tão paradas e frias e mortas;
Eu não tinha este coração
Que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança,
Tão simples, tão certa, tão fácil:
— Em que espelho ficou perdida
a minha face?"

Cecília Meireles by Anna Mattos.

Milagres do Paraíso 2016 Filme Completo HD Dublado - Drama.

Kell Smith - Era Uma Vez...

quinta-feira, 3 de janeiro de 2019

Redes Sociais?! FAKE LIFE. O abuso das aspas...


Hoje sou uma das pessoas mais avessas às "Redes Sociais".
Lógico que a proposta das mesmas é a de "aproximação" e "interação" entre "pessoas" utilizando-se a internet como ferramenta sine qua no.
Só que na "balança" de resultados essa nova maneira de relacionar-se trás mais pontos negativos do que positivos.
Em suma o que se dá no âmbito desse "universo" é uma "FAKE LIFE". Todo mundo muito feliz. Muito amado. Muito lindo. Muito saudável. Muito endinheirado. Muito realizado. Muito culto. Muito empoderado...
Mentiras são propagadas e viram "verdades" de tanto serem "repetidas". São as "fake news". Coisa já tida como absolutamente "normal" nos dias hodiernos e nas mais variadas áreas de "interesses".
As "amizades" se dão entre pessoas de "mundos" completamente "diferentes", mas se tornam limítrofes nessa teia de "relacionamentos". Vive-se a era da "fantasia". Do tudo pode ser "possível". Os profissionais que cuidam da "saúde mental" agradecem essa nova demanda que está enchendo seus consultórios de insatisfeitos "por" e "com" tudo. Como membro dessa classe deveria também ficar muito feli$$$. Perdão, feliz é com "Z".
Trocas de "farpas", que, muitas vezes, desembocam em "litígios" são sempre alimento para as diversas "mídias".
Para mim as redes sociais se tornaram em zona putrefata. Infestadas de abutres, parasitas. Povoadas de presas e predadores que se "abraçam" e "beijam" enquanto o "veneno" escorre pelos "lábios" e "corações".
Pena... É o que sinto dos que vivem com a "cara" enfiada em seus smartphones. Infelizmente, um dia, se tocarão, um pouco tarde demais, que "a vida os viveu" e aí só restará the end.
As "aspas"??? Elas foram usadas, excessivamente, para destacar o "óbvio"!!!
#Desabafo.

Anna Mattos.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

AMIZADES DO CASAL BOLSONARO.



Sinceramente?! Apesar de ser cristã protestante não gosto das amizades do casal Bolsonaro no meio cristão protestante. Os ditos evangélicos que estão em torno deles são pessoas perigosas. Os conheço como cidadã atenta aos escândalos midiáticos e teóloga comprometida com a religião, e sinto um frio na barriga em saber de tamanha proximidade. Ou o presidente e sua primeira-dama estão sendo ingênuos demais ou não quero nem imaginar onde isso vai dar se esses caminhos entrelaçados forem por outras motivações. Só me resta pedir misericórdia a DEUS. 

Anna Mattos.

terça-feira, 1 de janeiro de 2019

O Diário.


Certa feita estava conversando com o meu médico e lhe contei que havia criado esse blog... Ele, de pronto, indagou se o utilizava como um diário... Disse-lhe que não e, naquele instante, achei o entusiasmo dele meio descabido ao imaginar tal coisa, afinal, conhecendo meu nível de complexidade como ser humano, que diabos ele supunha ser essa ferramenta em minhas mãos usada como lugar de revelações... Vez por outra me recordava do incidente e ficava tentada a experimentar... Uma vez que o utilizo sob a proteção de um alter ego, codinome, pseudônimo... E por que não?! É certo que desvelarei coisas ocultas como se outrora estivesse em um confessionário sem a presença do sacerdote... Será doído... Será forte... Será chocante... Apenas um número ínfimo de pessoas conhecem a minha identidade... Sinto-me tentada a arriscar... Talvez escrevendo e postando coisas superficiais e subliminares não tenha tido, até agora, o alcance desejado... Aprendi com a vida que o que leva a massa ao delírio é a ferida exposta, sangrando, pungente... Pois é isso que encontrar-se-á aqui de agora em diante: uma mulher em carne viva... perambulando pelo mundo... tal qual um zumbi... Me rendo... A partir de hoje não lapidarei as postagens... Serei apenas o que a vida fez de mim... Quem sabe me expondo dessa forma não garimpe um comentário que arranque o punhal que está cravado em meu coração e me faz ser o que sou... Para mim? Apenas ninguém! 

Anna Mattos. 

sábado, 17 de novembro de 2018

Às vezes menina, às vezes mulher...



Às vezes me sinto menina
Às vezes me sinto mulher
Quando menina choro e penso
Quando mulher penso e choro
Nunca sei se menina, se mulher
Apenas sinto.
Sinto calor e frio
Sinto arrepio na pele, por dentro
A dor que não para de doer
A ferida que não para de sangrar
O riso, às vezes, vem sorrateiro
O olho brilha sem nenhum comando
Nunca sei se feliz ou triste
Apenas sinto.
Quando menina sonho e penso
Quando mulher penso e sonho
Nunca sei se vivo, se morro
Apenas sinto.
Sinto cores e sabores e olores
Sinto desejo por dentro, em mim
Nunca sei se luz ou escuridão
Apenas sinto.
O peito sempre sufoca o grito
O tempo se derrama no infinito
A menina cala
A mulher espera
Nunca sei de nada
Apenas sinto.
Às vezes como uma menina...
Às vezes como uma mulher...

Anna Mattos.

sábado, 25 de agosto de 2018

A CARTA DO MEU NÃO SUICÍDIO.

Brasília, 25 de agosto de 2018.

Hoje despertei com mais de mil motivos para escrever uma carta de despedida e me suicidar... Novidade?! Lógico que não... Já tentei o suicídio uma dúzia de vezes, sem êxito, e tenho uma coleção dessas cartas... Sempre borradas por lágrimas.
Depressão... Ansiedade... Oito meses sem medicação nem terapia... Problemas de perto e de longe... Me olhei no espelho achando que estava me despedindo de mim mesma... Surpresa... Vislumbrei no fundo do meu olhar algo, completamente, diferente.
Enquanto relato isso choro e sorrio... Sabe quando a gente descobre que, finalmente, cresceu e amadureceu?! Simplesmente senti que aquela menina frágil e cheia de dúvidas se transformou em uma mulher forte e sábia.
Sou alguém muito especial... Por que?! Porque nunca permiti que a sujeira desse mundo me contaminasse... Porque aprendi a perdoar sem a necessidade de quem me fere me pedir perdão... Porque já tive muito e, hoje, mesmo sem ter mais nada, sequer cogitei a possibilidade de me corromper... Porque sempre estive cercada por inúmeros "amigos" em meio ao barulho de risos e, hoje, sozinha consigo desfrutar de uma companhia maravilhosa em meio ao silêncio: a minha.
DEUS?! Sempre esteve presente em minha vida, mas nem sempre fiquei quieta para senti-lo... Quando olho para trás e contemplo os meus "desertos", também avisto as minhas "Terras Prometidas"... Os meus "fundos de poço" me fizeram emergir sempre... O choro foi acalentado... As dores sumiram... As maldades vingadas sem a minha participação... Derrotas revertidas em vitórias... Humilhações punidas com rigor pela lei do retorno.
Fé... Esse é o meu segredo... Se a possuo, logo, para mim, nem morte nem vida poderá separar-me do AMOR de DEUS. Suicidar-me??? Não!!! Vou viver para ver o que ainda virá...

Anna Mattos.

Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus?!


31 "Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós?
32 Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como nos não dará também com ele todas as coisas?
33 Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica.
34 Quem é que condena? Pois é Cristo quem morreu, ou antes quem ressuscitou dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós.
35 Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada?
36 Como está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia; Somos reputados como ovelhas para o matadouro.
37 Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou.
38 Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir,
39 Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor."
ROMANOS 8.31-39 by Anna Mattos.

QUEM nos separará do amor de Cristo.wmv (???!!!)